segunda-feira, 2 de março de 2009

As atrações do Embaú

As atrações do Embaú

Dizem os nativos que na Guarda do Embaú há tesouros guardados em baú e enterrados ali por piratas. Não há indícios de que a história sejá real, mas é uma das explicações para o nome da praia, que, no linguajar açoriano, marcado pela rapidez com que as palavras saltam da boca, e que chia até hoje no local, virou Guarda do Embaú. Para muitos turistas que visitam o local, no município de Palhoça, os tesouros da Guarda são as pinturas do artista plástico Jacob Silveira, 59 anos, inspiradas na beleza da praia.Autodidata, Jacob começou a pintar há 25 anos, quando morava em um sítio, no município de Angelina. As primeiras pinceladas foram feitas em pedaços de madeira e panos.– Eu descobri a pintura através da Rosacruz, uma organização internacional de caráter místico-filosófico, voltada aos segredos da natureza – explica o artista plástico.Cinco anos depois, Jacob mudou-se para a Guarda do Embaú, atual fonte de inspiração do artista.–A Guarda é a minha vida. A natureza e o movimento dela estão na minha arte – descreve Jacob, que faz do pontilhismo a sua doutrina, ao formar imagens usando a justaposição de pontos e manchas coloridas.Restaurantes da Guarda do Embaú expõem e vendem os trabalhos de um dos artistas mais ilustres do local, que vive em uma casa simples, onde construiu um ateliê todo envidraçado, cercado pela mata, e de onde saem os quadros que viajam o mundo, encantando os olhares mais exigentes.Desde a sua primeira exposição, no Museu de Arte de Santa Catarina, o Masc, as obras de Jacob Silveira foram expostas no Japão, na Inglaterra, na França, na Alemanha, nos Estados Unidos, na Venezuela, no México, na Colômbia, na Bolívia e nas principais metrópoles brasileiras.O artista já nem sabe mais quantos quadros pintou, mas afirma que foram mais de mil obras.

Nenhum comentário: