quarta-feira, 30 de julho de 2008

SESC - ITAJAÍ


SESC - ITAJAÍ convida:

ViaPoesia
Durante quatro dias Itajaí vai respirar e transpirar poesia!!
VIAPOESIA
de 08 à 11/08
PROGRAMAÇÃOESPETÁCULO: O MUNDO MARAVILHOSO DA POESIA DE CORDEL (com Abdias Campos e Eduardo Buarque (O mundo maravilhoso da poesia de cordel)
DATA: 08/08/08 sexta-feira
LOCAL: NEFA – Núcle de Experimentos de Formas Animadas
HORÁRIO: 20h
ENTRADA FRANCA
SINOPSE:
O MUNDO MARAVILHOSO DA POESIA DE CORDEL é um recital de poesia popular, da literatura de cordel, que se utiliza da música por duas violas na escala moura, para apresentá-la, tanto pelo canto, como pela a declamação. Assim como, utiliza-se também, do teatro para os apelos cênicos dos textos, contextualizando os diversos temas e personagens dos poemas durante o recital.No palco, Abdias Campos declama, canta e toca viola; Eduardo Buarque toca viola. A apresentação tem a duração de 40 MINUTOS.Para abertura da apresentação, será exibido o curta metragem: ATÉ O SOL RAIÁ, uma animação narrada em poesia de cordel por Abdias Campos, premiadíssima em 2007, inclusive como melhor filme do ANIMAMUNDI, e que fundamenta-se na cultura popular do artesanato e do cangaço, contada através da poesia de cordel por via do imaginário popular. Este filme tem a duração de 12 minutos; este tempo não está incluso nos 40 minutos acima apresentado.
OFICINA: Que coisa é essa, a poesia? (com Cristiano Moreira)
DATA: 09/08/08 sábado
LOCAL: NEFA – Núcle de Experimentos de Formas Animadas
HORÁRIOS: 09H – 12H / 13H30 – 17H30
VAGAS: 15
Trabalhar a poesia como um jogo de armar feito com palavras. Começar o jogo com leituras de poemas diversos em sua forma e conteúdo. Pensar o poema como um objeto. Assim um nome, um desenho, uma escultura; a matéria prima para este jogo é a linguagem e seus labirintos. Escrever poesia como quem está no meio da floresta, floresta de sinais e sons, floresta de sentidos variados onde a única certeza é a de que não há uma espécie de brinquedo que valha mais ou que signifique mais. Cada participante fará seu brinquedo de palavras, como diria Manoel de Barros.
SARAU LITERÁRIO: GRUPO CLAP (com músicos convidados)
DATA: 09/08/08 sábado
LOCAL: NEFA – Núcle de Experimentos de Formas Animadas
HORÁRIO: 19h
ENTRADA FRANCA
Leitura de poesia contemporânea através das revistas
DATA: 10/08/08 domingo
LOCAL: NEFA – Núcle de Experimentos de Formas Animadas
HORÁRIO: 17h
A proposta é fazer uma leitura comentada de alguns poetas contemporâneos. Observar quais as diferenças estéticas e como se agrupam na cena da poesia feita no Brasil hoje através, principalmente, das revistas onde circulam estes poetas. Cada revista constitui efetivamente um círculo por onde transitam poesia, crítica e traduções. Cada revista de poesia constitui assim um arquivo. Como se dá esta relação de eleições e rejeições nestas publicações, é um dos aspectos a serem discutidos.
ESPETÁCULO: Trêmulo-Corpo (SC)
DATA: 10/08/08 domingo
LOCAL: NEFA – Núcle de Experimentos de Formas Animadas
HORÁRIO: 19h
ENTRADA FRANCA
SINOPSE:
Performance de Ryana Gabech a partir de poemas que compõe seu segundo livro de poemas, Trêmulo,. Ed. Papa-Terra, 2008 A performance de Ryana Gabech é acústica e utiliza elementos do cotidiano, objetos in-significantes que passam a compor uma peça unidos à plasticidade e versatilidade na apresentação dos poemas. Uma movimentação pela experiência verbal, visual e corporal desta poeta e artista visual.
Obs: Após a performance, haverá o lançamento do livro.
ESPETÁCULO: TAMBAKA performance poética (PR)
DATA: 11/08/08 segunda-feira
LOCAL: NEFA – Núcle de Experimentos de Formas Animadas
HORÁRIO: 20h
ENTRADA FRANCA
SINOPSE:TAMBAKA performance poética A voz é movimento e delineia a dinâmica sonora que, às vezes, se apóia na natural melodia da língua falada; no microcosmo da boca; no corpo; nas possibilidades rítmicas do texto; na assonância da linguagem inventada; na micro-modulação da leitura; no sopro; na manipulação eletrônica; na permutação acústica de grupos de palavras; na capacidade técnica da dicção; na percussão vocálica; nas qualidades hipnóticas do texto; nas variações fonéticas interpretativas; nos efeitos contrapontísticos da montagem; no fonema; no berro. O poema, neste universo, tem como principal característica à experimentação oral.A performance acontece com a voz por meio de elaborações fonéticas ou com efeitos sonoros de equipamento eletrônico, com elementos corporais, performáticos, video/gráficos, de luz e de movimento. Criada em parceria com a artista plástica Eliana Borges, Ricardo Corona lança mão de recursos vários para conectar, em terreno interdisciplinar, a poesia com outras linguagens e expressões. Para o autor, o objetivo principal é dinamizar o rito até envolver o público para um contexto poético. Criar o ambiente apropriado para a poesia acontecer, através do som, da cor, da luz, do tempo, do espaço, do movimento, da ação.No repertório, as narrativas inéditas “Os bárbaros vêm aí” e poemas do livro-disco Sonorizador (Iluminuras, 2007), tais como: “Recall”, “Baka”, “Tambor”, entre outros de autoria própria, além de trabalhos de outros autores, também gravados no livro-disco, tais como “Niva”, “Ja ma la” e “Chamada” das tribos indígenas Comanche (EUA), Yamanes (Chile/Argentina) e Xetá (Brasil), respectivamente. A performance tem 40 MINUTOS de duração.
MAIS INFORMAÇÕES COM O SETOR DE CULTURA DO SESC: (47)3348-9291

Nenhum comentário: