quarta-feira, 9 de julho de 2008

Políticas culturais para a infância em debate

Políticas culturais para a infância em debate
A 7ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis promove nesta sexta,11 de julho, o 2º Fórum de Políticas Culturais voltadas para aInfância. Especialistas em várias áreas de atuação vão debater aapropriação das mídias pelas crianças, a democratização e o uso doaudiovisual nas escolas, proposto em projeto de lei pelo senadorCristovam Buarque (PDT-DF). Há pouco mais de um mês o senadorapresentou um PL que obriga escolas da rede pública a utilizarproduções brasileiras em sala de aula.Para discutir esse e outros temas do universo das boas iniciativasforam convidados Âmbar de Barros, diretora do Núcleo Infanto-Juvenilda TV Cultura (SP), Alemberg Quindins, da Fundação Casa Grande (CE),Ilona Hertel, do Serviço Social do Comércio (Sesc/SP), Solange Lima,do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) e Padre VilsonGroh, que atua com inclusão social de crianças e adolescentes nacapital catarinense.A Fundação Casa Grande, localizada em Nova Olinda, no Ceará, realizahá 15 anos um trabalho de estímulo ao protagonismo infantil e juvenilem gestão cultural. Nos laboratórios de comunicação, as criançasproduzem seus próprios programas de tevê e rádio, peças teatrais elivros. "Elas abordam temas como a diversidade cultural nordestina, ofolclore local, as experiências das pessoas comuns e as peculiaridadesdo sertão", diz o criador da iniciativa, Alemberg Quindins. O trabalhoda Fundação é reconhecido internacionalmente e já foi replicado naÁfrica e Europa. Âmbar de Barros, da TV Cultura, quer aprofundar o debate sobre ofinanciamento da produção audiovisual de qualidade voltada para opúblico infantil. Ela pretende construir uma parceria entre a emissorae a Mostra de Cinema Infantil para exibir filmes a um público mais amplo:
"A maioria da população brasileira assiste tevê em canais abertos, onde aprogramação nacional para crianças é pífia e o conteúdo, voltado aoconsumismo, à relação desigual entre gêneros. Nesse panorama a tevêpública ganha importância enorme. Buscamos parceiros que tenham amesma preocupação com a identidade cultural brasileira", afirma."Quero propor uma discussão sem medo sobre soluções criativas paradistribuir a produção brasileira de cinema às crianças", diz SolangeLima, que é membro do CNPC e preside a ABD Nacional (AssociaçãoBrasileira de Documentaristas e Curta-metragistas). Solange sugere queo governo, por meio da Agência Nacional do Cinema (Ancine), invistamais na divulgação do cinema brasileiro na mídia. Ela acredita que ainternet é o caminho para fazer com que os filmes infantis nacionaischeguem a mais crianças, em especial nos municípios onde não há salasde exibição. A pedagoga Ilona Hertel, assistente de programas socioeducativos doSesc/SP, traz para o Fórum a experiência da entidade na organização degrandes parques lúdicos em todas as 31 unidades no estado de SãoPaulo. "Nosso pressuposto é que esses espaços comunitáriospromovam a construção da autonomia e do conhecimento das crianças pormeio da brincadeira, a linguagem essencial da infância", explica. "Ocinema, a literatura e o teatro precisam levar em conta que ascrianças são capazes de entender o mundo, refletir e agir. São serespensantes, inteligentes, mesmo que não dominem a linguagem verbal".O Padre Vilson Groh vai compartilhar sua vivência como articulador decinco projetos voltados para a inserção social e cultural de milcrianças entre seis e 15 anos, nas comunidades Mont Serrat, Mocotó,Monte Cristo e Alto da Caieira, em Florianópolis. "Precisamosrecuperar o direito à beleza da infância", diz o religioso, para quemcrianças e adolescentes ainda não são prioridade do ponto de vista das políticas estatais. O trabalho social com as crianças envolveoficinas de arte, aprendizado de informática e releitura de obras dearte, entre outras atividades.Um documento assinado por 40 profissionais de todo o país durante osdebates da 7ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis será entregueà ministra chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, também presidente doConselho Superior de Cinema (CSC). Produtores, diretores edistribuidores solicitam que o governo federal repasse ao cinemainfantil 20% dos investimentos públicos destinados ao mercadoaudiovisual. O CSC é um órgão da estrutura básica da Casa Civil daPresidência da República, ao qual compete formular a política nacionaldo cinema, aprovar diretrizes para o desenvolvimento sustentável daindústria cinematográfica e dar forma ao Fundo do Audiovisual.
Evento: 2º Fórum de Políticas Culturais voltadas para a Infância
Data e hora: sexta-feira, 11 de julho, a partir das 9h
Local: Centro Integrado de Cultura (CIC)________________________
COMUNICAÇÃO DA MOSTRA
adriane canan • (48) 9633 9912
dauro veras • (48) 9922 9700
kátia klock • (48) 9989 4202

Nenhum comentário: