segunda-feira, 2 de junho de 2008

Pré-estréia do documentário O tempo e o Lugar

Pré-estréia do documentário O tempo e o Lugar
- sessão seguida de debate com a participação de Eduardo Escorel e Claúdia Mesquita -
Sala de Cinema do CIC
(Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5600 - Agronômica - Florianópolis/ SC)
Dia 31 de maio de 2008 - sábado
Às 18hs
Entrada Gratuita
(as senhas começarão a ser distribuídas meia hora antes da sessão)

Sinopse

Trajetória militante de Genivaldo, agricultor familiar da região semi-árida de Alagoas. Membro leigo da Igreja Católica, emigrou sem nunca ter se adaptado à condição de peão de obra. Voltou para o Nordeste, aonde criou raízes e constituiu família, convicto que ali é o seu lugar. Foi líder do Movimento Sem Terra, tendo participado de saques e ocupações de terra, e sido candidato derrotado a prefeito da sua cidade natal, pelo PT. Criou uma organização dedicada ao fortalecimento da agricultura familiar, à qual continua dedicado, fiel à sua vocação de ativista político, hoje independente, distante de igrejas, movimentos e partidos.

O documentário

O Tempo e o lugar reúne formas distintas de registro documental. Feitos em três épocas ( 1996, 2005 e 2007 ) em suportes de video diferentes ( Beta analógica, MiniDV e HDV ), cada um deles tem sua própria linguagem. A gravação do Gente que faz, exibido aos sábados pela Rede Globo antes do Jornal Nacional, tem as características de luz e edição próprias de um video publicitário. O depoimento de 2005, gravado em três dias, no mesmo ambiente, inicialmente apenas com o propósito de servir de fonte para um roteiro de ficção, foi quase todo feito em um plano próximo, fixo, concentrado no rosto de Genivaldo. A gravação de 2007, feita ao longo de três semanas, que constitui 80% do documentário, alterna depoimentos e observação com o mínimo de interferência possível nos eventos que ocorrem diante da câmera. O Tempo e o lugar é, portanto, um documentário que articula estilos diferenciados tendo Genivaldo como fio condutor da narrativa. Ele tem uma trajetória original, cronologicamente paralela à do presidente Lula. Começou a militar na Igreja Católica ao mesmo tempo que Lula surgia como líder sindicalista no ABC paulista. À diferença de Lula, porém, hoje descrê da política partidária, sem abrir mão de suas convicções e compromissos com a
causa do pequeno agricultor.

EDUARDO ESCOREL Diretor
Dirigiu, roteirizou, montou e produziu diversos filmes de ficção e documentários, a partir de 1965. No ano seguinte, co-dirigiu com Julio Bressane seu primeiro documentário de média-metragem, Bethânia bem de perto, lançado recentemente em DVD. Em 2007, lançou o documentário Deixa que eu falo, sobre o cineasta Leon Hirszman.
Montou, entre outros, Terra em transe, Cabra marcado para morrer, Eles não usam black-tie e Santiago, esse último com Livia Serpa.
Dirigiu, entre outros, Lição de amor (1975), Ato de violência (1979), O Cavalinho azul (1983), Chico Antônio - O Herói com caráter (1983), 1930-Tempo de revolução (1990), 32-A Guerra Civil (1992), Rondon-O Sentimento da terra (1992), Ulysses-Cidadã o (1993), 35-O Assalto ao poder (2002) e Vocação do poder (2005), co-dirigido por José Joffily.
Autor de Adivinhadores de água - pensando no cinema brasileiro, publicado pela Cosac Naify, em 2005.

Nenhum comentário: