sábado, 7 de março de 2009

o ato de pintar

O Governo do Estado de Santa Catarina, através da Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte,
Fundação Catarinense de Cultura e Museu Histórico de Santa Catarina convida para o coquetel de abertura da exposição

PRESENÇAS: o ato de pintar



Curadoria de Rubens Oestrom
Artistas: Anelise Junqueira Bertoncini
Dolma Magnani de Oliveira
Elvira dos Santos Sponholz
Jussara Isabel Romero
Katia Áurea da Costa
Ligia Czesnat
Mariza do Amaral
Marivone Dias
Sandra Cavallazzi
Verceles Amâncio


Dia 05 de março de 2009
19 horas
Museu Histórico de Santa Catarina
Palácio Cruz e Sousa

Visitação: 06 de março a 05 de abril
Terça a Sexta das 10h às 18h
Sábado e Domingo das 10h às 16h

Membros do Conselho Estadual de Cultura tomam posse nesta sexta-feira

Membros do Conselho Estadual de Cultura tomam posse nesta sexta-feira


04/03/2009 – Será realizada nesta sexta-feira, dia 6, às 10 horas, no Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis, a posse dos membros do Conselho Estadual de Cultura (CEC) para a gestão 2009/2010. A nominata traz sete nomes que não integravam o conselho na gestão anterior: Fátima Regina Althoff, Ivone Gumz, João Otávio Neves Filho, Margit Olsen, Maura Soares, Norberto Ungaretti e Sara Regina Poyares dos Reis. Segundo a Lei 14.367, de janeiro de 2008, que dispõe sobre os Conselhos Estaduais de Turismo, Cultura e Esporte, está prevista a renovação de, pelo menos, um terço dos membros dos Conselhos a cada gestão de dois anos.

Os Conselhos são órgãos colegiados, vinculados à Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, com caráter consultivo e deliberativo. Cabe aos conselheiros discutir, deliberar e propor ao Secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, as diretrizes da política de desenvolvimento da cultura do Estado, seguindo as orientações e determinações contidas nas políticas governamentais.

O CEC é formado por vinte e um membros efetivos, nomeados por ato do Chefe do Poder Executivo, com a seguinte composição: como membro nato o dirigente máximo da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), que exercerá a Secretaria Geral do Conselho, dez membros escolhidos pelo Chefe do Poder Executivo dentre personalidades da área da cultura, atuantes e de reconhecida idoneidade, e dez membros representativos da sociedade civil organizada e de setores culturais específicos.

“Os recursos provenientes dos fundos de incentivo são aplicados de acordo com as diretrizes do Plano de Desenvolvimento Integrado para o Turismo, Cultura e Esporte (PDIL), que são as políticas para as três áreas. Os Conselhos, além de fiscalizar a aplicação de tais políticas, podem sugerir novas orientações”, afirma o secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Gilmar Knaesel. “Outra função do conselho é estimular a criação de conselhos municipais de cultura”, lembra a presidente da FCC, Anita Pires.

Nova nominata do Conselho Estadual de Cultura (gestão 2009/2010):

1) Anita Pires – presidente da FCC
2) Bárbara Rey – representante dos profissionais da área de dança
3) Edson Busch Machado – indicado pelo Governo do Estado
4) Fátima Regina Althoff – representante dos profissionais de conservação e restauração do patrimônio histórico
5) Francisco Socorro – representante da área de música
6) Iara Gaidzinski – indicada pelo Governo do Estado
7) Ivone Gumz – indicada pelo Governo do Estado
8) João Otávio Neves Filho – representante dos artistas plásticos
9) Lauro Junkes – representante dos escritores
10) Leone Silva – representante dos profissionais da área de teatro
11) Marcelo Collaço Paulo – indicado pelo Governo do Estado
12) Marcelo Muniz – indicado pelo Governo do Estado
13) Margit Olsen – indicada pelo Governo do Estado
14) Maura Soares – representante da área de folclore
15) Micheline Raquel de Barros – representante dos profissionais educadores de arte
16) Norberto Ungaretti – indicado pelo Governo do Estado
17) Norton Makowiecky – representante dos profissionais da área de cinema
18) Péricles Prade – indicado pelo Governo do Estado
19) Sandra Regina Ramalho e Oliveira – indicada pelo Governo do Estado
20) Sara Regina Poyares dos Reis – representante da área de patrimônio histórico e geográfico
21) Tereza Martorano – indicada pelo Governo do Estado


SERVIÇO:

O QUÊ: Posse do Conselho Estadual de Cultura
QUANDO: sexta-feira, 06 de março, às 10 horas
ONDE: Cinema do Centro Integrado de Cultura (CIC), Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5.600, Agronômica, Florianópolis.
QUANTO: gratuito

Projeto Bandas SC em cartilha


Projeto Bandas SC em cartilha
Livreto lançado pela FCC traz detalhes sobre atividades realizadas pelo programa

Foi lançada, no começo de 2009, a cartilha do Projeto Bandas SC 2008. O livreto do projeto, que tem apoio da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), é resultado de mais um ano de trabalhos na área musical em Santa Catarina. A cartilha será distribuída gratuitamente para as bandas cadastradas no projeto. O cadastro pode ser feito no site da FCC (www.fcc.sc.gov.br), no link Downloads.

O projeto ofereceu oficinas de orientação e planejamento específicos para Bandas de Música Civil, Militar e Escolar (fanfarras), abrangendo todas as modalidades. As ações do projeto foram realizadas em 15 municípios onde existem bandas de música em atividade e suas respectivas regiões de abrangência. Nesse processo, foram formados 244 novos gestores de 180 bandas em 80 municípios. O projeto administra o Programa Nacional de Bandas de Música da Funarte/MinC no estado.

Com 90 páginas, a cartilha contém, em detalhes, todas as ações realizadas pelo projeto e traz um relatório sobre as diversas fases de execução, oficinas realizadas e demais etapas. O livreto traz, ainda, um manual prático que ensina passo a passo como fazer a manutenção dos instrumentos e resolução de problemas mais freqüentes relacionados ao cuidado e preservação dos aparelhos musicais. Há, também, um guia com as nomenclaturas dos principais instrumentos que compõem uma banda.

O projeto, apoiado pela Associação de Amigos do Museu da Imagem e do Som de Santa Catarina (AAMISSC), tem, entre seus principais objetivos: manter atualizados os dados do programa por meio de cadastramento e coleta de informações das 121 bandas catarinenses; garantir o aproveitamento de recursos públicos; fazer com que cada município consiga manter sua corporação, criando formas de manutenção por meio de parcerias e busca de recursos; orientar as comunidades sobre a criação das bandas escolares; instalar oficinas de reparo de instrumentos de sopro em percussão que atendam as bandas em suas respectivas regiões. Todas essas ações vêm sendo desenvolvidas em conjunto, buscando a inclusão das corporações musicais – existem 600 delas em Santa Catarina, num total de 50 mil músicos – e a manutenção das tradições e da cultura imaterial do estado.

Sob coordenadoria de Neiva Ortega, responsável desde 1999 pelo Programa Nacional de Bandas de Música da Funarte/MinC em Santa Catarina, o projeto reativou sua parceria com a Fundação Catarinense de Cultura em 2004. Desde então, também com o apoio da Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, vem reforçando seu papel no incentivo e aprimoramento técnico das bandas de todo o estado, estimulando jovens e crianças ao interesse da boa música brasileira.

Informações: (48) 3953-2328 / projbandas@fcc.sc.gov.br

Karina Zen apresenta exposição


Karina Zen apresenta exposição individual no Arquipélago, no dia 05 de março de 2009, às 19h.
As fotografias da série "Aquário", integram uma pesquisa que busca desvendar e subverter o aparelho fotográfico, explorando, nas palavras da artista, a idéia de que dois registros de tempo podem conviver em um mesmo tempo de exposição.
Karina Zen é artista visual, vive e trabalha em Florianópolis, é formada em fotografia na escola Riccardo Bauer em Milão na Itália e desenvolve seus trabalhos em fotografia, vídeo e instalação.
Esta exposição é a segunda de um ciclo de mostras que apresentam a produção do grupo de artistas que desenvolvem uma das oficinas do Centro Cultural Arquipélago: Orientação de processo para artistas com Fernando Lindote.
Estão abertas as vagas para os artistas interessados em integrar a nova turma de orientação de processo com Lindote. Os encontros coletivos para os novos participantes serão realizados todas as quartas-feiras. Para se inscrever ou se informar sobre esta e outras oficinas oferecidas, entre em contato com a equipe do Arquipélago por email ou telefone (3024-5066).

centro cultural arquipélagode terça a sábado, das 16h às 20hrua idalina pereira dos santos, 81 . agronômica88025-500 . florianópolis . sc . [48] 3024 5066arquipelago. art@gmail. comhttp://www.arquipelagoart. com.br

Governo paga primeira parcela do Prêmio Cinemateca

Governo paga primeira parcela do Prêmio Cinemateca


5/3/2009 - Será realizada nesta sexta-feira, dia 6, às 20h30, a cerimônia de assinatura dos contratos e pagamento da primeira parcela dos vencedores do Edital Prêmio Cinemateca Catarinense / Fundação Catarinense de Cultura – 2008. O Governo do Estado fará o pagamento em duas parcelas, sendo a primeira equivalente a 75% do prêmio e a segunda a 25%. O evento será realizado na Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina - Auditório Antonieta de Barros, no Centro de Florianópolis. "O edital, que busca estimular a produção cinematográfica catarinense, é uma conquista já consolidada", afirma a presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Anita Pires. Na mesma solenidade, será empossada a nova diretoria da Cinemateca Catarinense.
A nova diretoria da Cinemateca Catarinense é formada por Sofia Mafalda, 28 anos, presidente; Thiago Skárnio, 29, diretor de comunicação; Lina Lavoratti, 29, diretora administrativa; e Carolina Gesser, 22 anos, diretora financeira. Somente Thiago vem da diretoria anterior e Carolina, a mais jovem, é recém formada no curso de cinema de Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A chapa única foi aclamada em assembléia no final do ano passado, e trazia Thiago na presidência, mas ele assumiu compromissos profissionais recentes que o impedem de ocupar o principal cargo da entidade. O remanejamento na diretoria foi aprovado pelos associados.

Ao assumir a função, Sofia mantém a hegemonia feminina na presidência da entidade. É a quarta gestão consecutiva presidida por uma mulher. Ariadne Catanzaro esteve no cargo em 2003/2004, Lícia Brancher em 2005/2006, e Luiza Lins em 2007/2008.

Os principais compromissos da atual diretoria são levar adiante a criação de um cineclube na Casa do Teatro Armação, na Praça 15, no centro de Florianópolis, onde a entidade divide uma sala com o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Audiovisual de Santa Catarina (Sintracine). "A idéia é ampliar a rede de pequenas salas de cinema no Centro Histórico de Florianópolis, onde já funcionam os clubes de cinema do Museu Victor Meirelles e da Fundação Cultural Badesc/Aliança Francesa", diz Sofia.

A nova diretoria vai negociar também com secretário de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Gilmar Knaesel, uma ampliação nos valores do edital Prêmio Cinemateca 2009, que será lançado durante o 13º Florianópolis Audiovisual Mercosul (FAM), entre junho e julho. Outro compromisso fundamental é fazer a Cinemateca atravessar definitivamente a ponte e chegar a outras regiões do Estado. Durante as últimas gestões já houve um avanço neste sentido, mas o objetivo é ampliar ainda mais o número de associados, que hoje é de 70, e aumentar também a participação de produtores do interior do Estado no edital de cinema que leva o nome da entidade.

No âmbito municipal, a nova diretoria quer viabilizar junto a prefeitura o projeto Casa do Cinema, que prevê um conjunto de políticas para transformar Florianópolis numa cidade em condições para promover a produção do audiovisual. Com a UFSC e com o Fundo Municipal de Cinema (Funcine) já há uma parceria para capacitação profissional. A partir de junho vão ocorrer cursos gratuitos de som, fotografia, edição, animação e documentário, em nível avançado e profissional, no núcleo de produção digital a UFSC.

Até o final da gestão, em dezembro de 2010, os novos diretores querem concluir o primeiro censo audiovisual de Santa Catarina para saber quem faz cinema no Estado, onde estão produzindo e quais são os filmes realizados. As informações serão disponibilizadas no site www.cinematecacatarinense.org.

SAIBA MAIS:
Edital Prêmio Cinemateca Catarinense / Fundação Catarinense de Cultura – 2008.
Valor total: R$ 1,9 milhãoValores relativos a primeira parcela: PROPONENTE PROJETO PARCELA VALOR Acquafreda Cine Vídeo Ltda. Amores Raros 1ª 675.000,00 Fernando Boppré Ovonovelo 1ª 60.000,00 Gláucia Grigolo Circo- Teatro Biriba 1ª 60.000,00 Ilka Margot Goldschmidt Celibato no Campo 1ª 60.000,00 Igor Pitta Simões 53 cartas 1ª 75.000,00 Celso Carlos Castellen Junior Entre Tulipas e Girassóis 1ª 75.000,00 Mônica Rath Memórias de passagem 1ª 75.000,00 Luiz Augusto Couto de Lima Ein Prosit!A história da cerveja em SC 1ª 75.000,00 Regius Brandão Ramos Mot 1ª 75.000,00 Yannet Briggiler Pandemonium 1ª 30.000,00 Osvaldo Ventura Ribeiro Pomar Seu Gentil do Orocongo e Orocongo 1ª 30.000,00 Rodrigo Amboni Sereia 1ª 30.000,00 Fabrício Porto Making of 1ª 30.000,00 Bernardo Florit As forças estranhas 1ª 11.250,00 Valdemir Klant Hor 1ª 11.250,00 Luiza da Luz Lins As aventuras de Makunaíma para crianças 1ª 7.500,00 Eduardo Gonçalves Dias Sganzwelles 1ª 7.500,00 Valor Total: R$ 1.387.500,00

Pré-estreia Documentário Maciço

Projeto contemplado no Edital Cinemateca Catarinense / Fundação Catarinense de Cultura, Maciço é um documentário sobre Florianópolis. Mais ainda, sobre uma Florianópolis invisível.
A idéia do filme partiu do diretor Pedro MC, quando começou a contrapor a imagem forjada na mídia dos morros da capital, com a imagem inventada da capital, de cidade estritamente turística com melhor qualidade de vida do país.
Com pesquisa, entrevistas e co-produção de Karen Christine Rechia, doutoranda em História do Brasil na Unicamp, o projeto foi iniciado em 2004, e cinco anos depois tem a primeira exibição, com entrada franca no Cinema do CIC, nesta terça-feira dia 10 de março.
"O maior desafio foi criar uma linha narrativa capaz de abranger tanta diversidade" - conta Luciano Burin, roteirista do projeto, se referindo à escolha da equipe em registrar as 17 comunidades que compõem do Maciço do Morro da Cruz. "Montamos uma diretriz que tanto dá espaço para história de vida dos entrevistados quanto à idéia de pertencimento à cidade", completa.
Foram captadas 102 horas de imagem para um filme de 79 minutos. "Entre um ano de decupagem detalhada mais um ano de edição, conseguimos chegar a um formato onde a linguagem é simples e encadeada, dando força às falas dos personagens" afirma Yannet Briggiler, montadora do documentário.
A produção contou com o apoio dos próprios moradores, que frequentemente se ofereciam para carregar o equipamento, segurar o rebatedor, tirar fotos e mexer numa das filmadoras. "O morro tem fome, muita fome de filmar, de contar histórias, de falar e ser ouvido" revela Pedro MC.
Para o cineasta, o documentário tem uma finalidade maior, que é exatamente ampliar as fronteiras do audiovisual. "Neste filme, a contrapartida social não está no tema focado em si, mas justamente na própria realização do mesmo, e é assim que deve ser com qualquer filme de ficção, animação ou documentário: a contrapartida é cultural".
Como dispositivo de filmagem, foram realizados encontros da equipe com moradores dos morros, ora em entrevistas pré-marcadas ora com personagens escolhidos ao acaso, "dessa forma criando o que se pode chamar de uma maior 'fluorescência' nos depoimentos, flertando com o chamado cinema direto, ou cinema verdade".
Dentro de toda essa diversidade de escolhas, a que se sobressaiu foi a de não filtrar os depoimentos, respeitando o tempo de cada personagem, seja ela criança ou idoso. "Questões como o acesso à cultura e os meios de produção acabam sendo mais importantes do que a problemática do tráfico e a relação com a polícia" - avalia o diretor. "Ainda tivemos a escolha de entrevistar apenas moradores da região, sem depoimentos de sociólogos ou especialistas que lá não vivem".
É um filme portanto sobre uma parcela da população que vive na região mais central de Florianópolis e ainda sim é considerada periférica, e que com certeza demanda muito mais política social de acesso à cultura e esporte, do que, como se pretende fazer, de turismo.

SERVIÇO
O QUE: Pré-estreia do Documentário MACIÇO
QUANDO: Terça-feira, dia 10 de Março de 2009
ONDE: Cinema do CIC (Avenida Governador Irineu Bornhausen, 5600)
QUANTO: Entrada Franca
DURAÇÃO: 79 minutos
SESSÕES: 19h para convidados e 21h livre

EQUIPE
Direção Pedro MC
Roteiro Luciano Burin
Entrevistas Karen C. Rechia
Produção Karen C. Rechia & Pedro MC
Assistente Produção Shaumi Wolmer
Fotografia Diego Canarin & Pedro MC
Som Direto Douglas Vianna
Montagem e Animação Yannet Briggiler
Edição de Som Rodrigo Amboni
Decupagem Marcelo Silva & Shaumi Wolmer
Produção Cizânia Filmes
Co-Produção Omago Arte Audiovisual
Apoio Equipamento FUNCINE

ALGUNS ENTREVISTADOS
Padre Vilson Groh
Cristiana Tramonte
Dona Uda (Monte Serrat)
Seu Slivio (Clube do 25)

CONTATOS
Pedro MC pedromc@terra. com.br (48) 3025.5375 e 8405.5375

assinem! mesmo, é sério!

assinem! mesmo, é sério!

    
Por incrível que pareça, o governo federal, em plena crise, resolveu aumentar o impostos sobre a produção cultural.
Se antes já estava muito difícil, agora fica impossível.
Um imposto, que antes era de 6,85%, agora passou para inacreditáveis 22, 75%.
Isso mesmo, 22,75%.
Já repararam que não há uma estréia, em pleno março, mês que costuma abrigar quase todas as estréias do primeiro semestre?
Por favor, entre no endereço abaixo:
http://www.petitiononline.com/ip9s1234/petition.html
Obrigado,
Otávio Martins (ator, produtor)

Relato da reunião da Frente em Defesa da Cultura Catarinense, em 05 de março de 2009.

Relato da reunião da Frente em Defesa da Cultura Catarinense, em 05 de março de 2009.

O encontro ocorreu na Sala das Comissões de número 01, da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina. com a presença de vinte e duas pessoas (cujos nomes seguem ao final deste e-mail). Elaborou-se a seguinte pauta de discussão: 1) Informes acerca dos projetos redigidos junto ao Secretário Rodolfo Pinto da Luz; 2) Debate sobre a indicação de nomes para os cargos chaves na Fundação Franklin Cascaes; 3) Organização de uma estrutura e de um calendário para os próximos encontros; 4) Sobre os Fundo Estadual de Cultura (não houve tempo para este ponto de pauta).

De início, Marisa Naspolini relatou a reunião da GESTO (Associação Teatral) onde foi colocada a extrema preocupação em relação ao Festival Isnard de Azevedo deste ano cuja principal produtora, Vera Sampaio (ex-coordenadora de artes da Fundação Franklin Cascaes) foi exonerada de sua função e cujo cargo continua vago. Marisa lembrou do ótimo trabalho que ela realizou durante o período em que lá esteve e solicitou se haveria a possibilidade da Frente se posicionar sobre o assunto. A questão, no entanto, foi adiada posto que se iniciou uma discussão sobre o Festival Isnard de Azevedo, onde Mariana Feil também se mostrou preocupada com o curto prazo de tempo para realizá-lo com qualidade tendo em vista que sequer o nome dos espetáculos selecionados foi divulgado (o Festival deverá ocorrer em abril). Amilcar Neves explanou sobre os três documentos redigidos pela comissão (composta por ele, Marisa Naspolini, Roseli, João Carlos Silveira de Sousa e Murilo Silva) e pelo Secretário Rodolfo Pinto da Luz: a) Mensagem do Prefeito Municipal à Câmara de Vereadores (cujo texto base foi redigido por João Carlos Siveira de Sousa) solicitando a alteração do projeto que submetia a Fundação Franklin Cascaes à recém-criada Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte (o polêmico Projeto 348). Será encaminhada à Câmara dos Vereadores; b) Decreto que altera o estatuto da Fundação Franklin Cascaes: até então, o presidente do Conselho Deliberativo da Fundação Franklin Cascaes era o Secretário de Turismo. Com a alteração, o presidente do Conselho Deliberativo será o Superintendente da Fundação, secretariado pelo Coordenador Geral da mesma. Haverá dois membros do Conselho Munipal de Cultura no Conselho que é composto por mais representantes da esfera municipal. c) Diretrizes para as políticas culturais no município de Florianópolis: trata-se do documento inicialmente redigido pela Roseli que recebeu pequenas alterações, solicitado pelo Prefeito Municipal tendo em vista ações para o setor. No entanto, conclui-se pela impossibilidade de traçar ações a curto prazo e preferiu-se redigir diretrizes básicas. Na sequência, Antônio Celso dos Santos solicitou que fosse incluída alguma referência que limitasse a participação do poder público junto aos fundos e leis de incentivo à cultura. Levantou-se a necessidade de discutir-se esta e outras questões junto ao Conselho Municipal de Cultura (inexistente até o momento). Com isso, adotar-se-á a seguinte estratégia de ação tendo em vista os problemas mais urgentes identificados pelo setor: 1) Acompanhar até semana que vem o encaminhamento dos três documentos para os devidos órgãos competentes (afinal a Fundação Franklin Cascaes continua submetida à Secretaria de Turismo, Cultura e Esporte); 2) Retomada do projeto legislativo que propunha a instituição do Conselho Municipal de Cultura (processo amplamente discutido na legislatura passada por iniciativa da vereadora Angela Albino) e discussão do caráter deliberativo (ou não) do mesmo. Além disso, concomitantemente a este segundo momento, discutir-se-á o caráter dos editais e leis de incentivo à cultura do Município (evitando que eles assumam um caráter semelhante ao desastroso sistema estadual). Na sequência, Neiva Ortega levantou a necessidade de se discutir as indicações dos cargos chaves da administração pública para o setor da cultura. Lembrou também que as inscrições para a realização da Conferência Nacional de Cultura em Florianópolis se encontram abertas e a Fundação Franklin Cascaes (responsável pela última edição) ainda não se movimentou para realizá-la. Gastão Meirelles sugeriu o nome de Wlady Soares para o cargo de superintendente da Fundação Franklin Cascaes, relembrando sua comprovada experiência no setor, sobretudo no estado de São Paulo. A discussão sobre possíveis nomes não avançou, no entanto, retomar-se-á a discussão em encontros futuros posto que se considerou a necessidade da classe se posicionar. Fernando C. Boppré questionou a representatividade e o tempo disponível que o Secretário da Educação, Rodolfo Pinto da Luz, terá para dirigir a Fundação Franklin Cascaes, além da situação de indefinição acerca deste cargo posto que as informações dão conta que ele ocupa o cargo interinamente. César Cavalcanti afirmou a necessidade de se ampliar a discussão para as demais cidades do Estado, citando o caso de Blumenau cujos produtores culturais informam acerca dos sérios problemas da área, pela lista de e-mails da Frente da Cultura. Além disso, sugeriu a articulação por segmentos (audiovisual, música, dança, teatro, etc.) como forma de fortalecer a Frente. Tendo em vista o avançado horário, decidiu-se marcar nova reunião no espaço de uma semana. Deste modo, já está convocada a segunda reunião no mesmo espaço*, 19h, de quinta-feira que vem.

* Para aqueles que tinha ou tem alguma contrariedade sobre o agendamento destas reuniões na Assembléia (eu era um deles) vale informar que o espaço é o ideal para os encontros posto que possui um formato adequado para reuniões além de sistema de refrigeração e banheiros internos. Ademais, trata-se de um espaço público de caráter estadual o que, em boa medida, coaduna-se ao que a Frente de Cultura pretende ser.

Amilcar Neves, Andrea Rihl, Antônio Celso dos Santos, Bebel Orofino, Carlos Kostin, Cesar Cavalcanti, Denilson Machado, Fernando C. Boppré, Gastão Meirelles, Guto Lima, Marisa Naspolini, Marta Cesar, Mariana Cesar Coral, Mariana Feil, Murilo Silva, Neiva Ortega
Shasça, Sheila Sabag, Thiago Skárnio, Vivian Coronato

Instituto Cervantes começa atividade cultural

Instituto Cervantes começa atividade cultural

No intuito de divulgar a língua espanhola e a cultura em espanhol, o Instituto Cervantes de Florianópolis começa em março de 2009 suas atividade culturais. Graças as parcerias estabelecidas com a Fundação Catarinense de Cultura, a Universidade Federal de Santa Catarina e a Fundação Cultural BADESC, o Instituto Cervantes oferecerá em Florianópolis um extenso programa de atividades musicais, literárias y cinematográficas da Espanha e Hispanoamérica.
PROGRAMAÇÃO
10 março, 20h
MÚSICA
Ciclo guitarrísimo
José María Gallardo del Rey
Teatro Álvaro de Carvalho
Rua Marechal Guilherme, 26
Entrada franca
Sujeito a lotação da sala – retirar ingressos com 1 hora de antecedência

PROGRAMA
Gaspar SANZ ……………………………………………………...………..… Danzas Españolas *
Santiago DE MURCIA …………………………………… Tocata en la manera de Corelli *
José María GALLARDO DEL REY ……………………………………..……….…. Lorca Suite

Astor PIAZZOLLA ……………………………………………… Tres Piezas del Nuevo Tango *
José María GALLARDO DEL REY ..…………………….Fantasía sobre temas de Iberia
José María GALLARDO DEL REY………………………………………………….……… Rosales

* Versión de José María Gallardo

José María Gallardo del Rey
O violonista e compositor sevilhano José María Gallardo del Rey recupera uma tradição esquecida pelos violonistas em geral há quase um século: a de associar em suas apresentações obras tradicionais do repertório com composições próprias.
Para o recital no Instituto Cervantes de Florianópolis, Gallardo Del Rey escolheu obras escritas originalmente para violão barroco por dois de seus principais compositores, Gaspar Sanz e Santiago de Murcia. Continuando a apresentação, serão interpretadas obras próprias baseadas também na tradição do cancioneiro ibérico, em releituras das obras tradicionais recolhidas pelo grande poeta Federico García Lorca. Outras composições próprias além de um arranjo do próprio violonista de obras de Astor Piazzolla encerram o programa.
José María Gallardo del Rey extrapola os limites do violão clássico, colaborando frequentemente com músicos de jazz, ópera, balé e teatro. Atua também como diretor de orquestra e compositor, sendo fundador e diretor musical do septeto La Maestranza. Faz apresentações por toda a Ásia e Austrália e em 2008 colaborou na produção Pasión Española, com Plácido Domingo e a Orquesta de la Comunidad de Madrid.

O ciclo guitarrísimo
O ciclo guitarrísimo do Instituto Cervantes começou em 1998 na sua sede de Munique (Alemanha) e se espalhou por várias das cidades do mundo nas quais o Instituto está presente.
O ciclo apresenta os principais intérpretes e repertórios para violão e instrumentos afins da Espanha e Hispanoamérica, países que tem, como o Brasil, o violão como um instrumento profundamente enraizado nas suas culturas musicais.
Teatro Álvaro de Carvalho
Rua Marechal Guilherme, 26
Entrada franca
Sujeito a lotação da sala – retirar ingressos com 1 hora de antecedência
Em parceria com a Fundação Catarinense de Cultura

terça-feira, 3 de março de 2009

Victor Meirelles - ConstruçãoObra em Perspectiva

Victor Meirelles - ConstruçãoObra em Perspectiva

Victor Meirelles, Cabeça de Mulher, sem data, óleo sobre tela, 54,5 x 45,5 cmFotógrafo: Eduardo Marques
"Retrato da recusa"por Ana Lucia Vilela
04 de março a 12 de junho de 2009Visitação: de terça a sexta-feira das 10h às 18h

O Museu Victor Meirelles realiza, desde maio de 2005, o projeto Obra em Perspectiva, parte da exposição Victor Meirelles - Construção. Neste projeto, periodicamente, um(a) pesquisador(a) do campo da arte e cultura é convidado(a) a escolher uma obra da exposição e, a partir desta, propor uma reflexão, elaborando um texto crítico que é exposto junto à obra e distribuído ao público.

Nesta 13ª edição do Projeto, a pesquisadora Ana Lucia Vilela apresenta uma reflexão sobre o retrato Cabeça de Mulher. O texto oferece uma outra possibilidade de leitura da obra de arte, colocando em questão os diferentes olhares que se entrecruzam atemporalmente quando o espectador se posta a frente da imagem, para se estabelecer uma leitura.

Ana Lucia Vilela é pesquisadora e doutoranda no Programa de Pós-graduação em História da UFSC e atua como curadora e crítica de arte.

A entrada é gratuita



O quê: Exposição Victor Meirelles - Construção.
OBRA EM PERSPECTIVA: Texto da pesquisadora Ana Lucia Vilela para o projeto.
Onde: Museu Victor Meirelles.
Quando: 04 de março às 19h.
Quanto: Entrada gratuita.

ARTE, AÇÕES E AFETOS

ARTE, AÇÕES E AFETOS

Projeto transdisciplinar entre UFF, MAC/Niterói e Museu Warhol Pittsburgh/USA)

LUIZ GUILHERME VERGARA & JESSICA GOGAN


Aberta ao público

5 de março (quinta-feira)

16 horas



Auditório do Bloco Amarelo

CEART/ UDESC

NOTAS FCC

Colegas, tomem nota:

- Nesta terça-feira, dia 3, às 14h30, será realizada a abertura das propostas inscritas no Edital de Licitação para Readequação e Reforma do Centro Integrado de Cultura (CIC), em Florianópolis. Os envelopes serão abertos na Sala de Licitações do Deinfra, Rua Tenente Silveira, 162, 10° andar do Edifício das Diretorias, Centro da Capital.

- Na quarta-feira, dia 4, às 16h30, acontece na Fundação Catarinense de Cultura (FCC) a primeira reunião dos integrantes da Comissão Catarinense do Livro (Cocali), que nos próximos meses vai selecionar as obras que serão adquiridas pelo Estado de Santa Catarina, com posterior distribuição para bibliotecas públicas municipais, conforme a Lei nº 8.759, de 27 de julho de 1992, conhecida como Lei Grando.

- Na quinta-feira, dia 5, e na sexta-feira, dia 6, a presidente da FCC, Anita Pires, estará em Brasília, onde participa da primeira reunião do ano de 2009 do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Cultura, do qual é vice-presidente. Em pauta, as propostas dos novos textos da Lei Rouanet e da Lei de Direitos Autorais, entre outros assuntos.

- Serão encerradas no dia 10 de março, terça-feira, as inscrições dos concursos para criação de logomarcas comemorativas da FCC e do Museu de Arte de Santa Catarina (Masc), abertas desde 26 de janeiro. Tanto pessoas físicas quanto jurídicas podem participar. Os proponentes das logomarcas vencedoras receberão, cada um, um prêmio de R$ 5 mil, além de um certificado de primeira colocação. Enquanto a FCC comemora seus 30 anos em 24 de abril, o Museu de Arte de Santa Catarina (Masc) celebra seus 60 anos em 18 de março.

- Termina em 13 de março, sexta-feira, o prazo de inscrições para o Edital Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura, promovido pelo Governo do Estado de Santa Catarina. Criado com o objetivo de estimular a produção, circulação, pesquisa, formação, preservação e difusão cultural no Estado, o Edital busca contribuir para o desenvolvimento das Artes Populares, Artes Visuais, Letras, Música, Dança, Patrimônio Cultura e Teatro. Apoiado pela Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte, Fundação Catarinense de Cultura (FCC) e Conselho Estadual de Cultura (CEC), o edital contempla um investimento total de R$ 6,8 milhões. As inscrições, gratuitas, estão abertas desde 26 de outubro. Mais de 260 propostas já foram recebidas.-- Assessoria de ComunicaçãoFundação Catarinense de Cultura (FCC)Equipe: Deluana Buss (coordenação) e Eduardo WolffFone: (48) 3953-2383 / 8843-8378Email: imprensa@fcc.sc.gov.brSite: www.fcc.sc.gov.br

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA A 8ª MOSTRA DE CINEMA INFANTIL DE FLORIANÓPOLIS

ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA A 8ª MOSTRA DE CINEMA INFANTIL DE FLORIANÓPOLIS
Estão abertas as inscrições para a 8ª Mostra de Cinema Infantil deFlorianópolis, que ocorre de 26 de junho a 12 de julho na capitalcatarinense, com exibição de filmes nacionais e estrangeiros.Podem participar da mostra competitiva produções de todos os gêneros eformatos, mas com foco no universo infantil, e inéditas em Santa Catarina.A escolha do vencedor é realizada por um júri formado por criançaspreviamente selecionadas pela organização do festival.Elas vão eleger o melhor filme ou vídeo de curta-metragem infantilbrasileiro. Além do troféu, o primeiro colocado recebe um prêmio de R$1.000,00.As inscrições estão abertas até o dia 30 de abril.O regulamento e a ficha de inscrição podem ser acessados emwww.mostradecinemainfantil.com.br. Evento de especial interesse para opúblico, educadores e produtores que pensam o cinema como diversão ecultura, a mostra de Florianópolis é um dos mais importantes festivais dosegmento no Brasil. Além de exibir filmes atuais e antigos, propõe um debatesobre a produção cinematográfica voltada para o público mais jovem.Nesta edição, ocorre o 5º Encontro Nacional do Cinema Infantil, que vaidiscutir a produção cinematográfica para crianças e adolescentes no Brasil eno mundo, e com a participação de produtores brasileiros e estrangeiros. Oobjetivo principal é tornar o mercado do cinema infantil forte eestratégico.A exibição dos filmes durante a mostra é realizada também como uma açãovoltada à inclusão social e construção da cidadania através do cinema.Escolas da rede pública ganham transporte para assistir aos filmes, exibidosgratuitamente durante a semana, e a preços populares nos fins de semana.Paralelamente, ocorrem oficinas para estudantes e para professores, debatescom especialistas em educação e cinema, produtores e realizadores. Pelosegundo ano consecutivo será realizada uma parceria com a ProgramadoraBrasil, do Ministério da Cultura.Os filmes encaminhados para o evento serão sugeridos para inclusão nocatálogo de títulos infantis. Cabe à Programadora a seleção final. Estaparceria permite a crianças de todo o país o acesso a atual produçãobrasileira de cinema infantil.A mostra é realizada pela Lume Produções Culturais com o apoio depatrocinadores. A cada ano os números de filmes e de público é ampliado. Naprimeira edição, em 2002, atingiu 2,5 mil pessoas, e em 2008, 25 mil. Naedição do ano passado, foi realizado o primeiro Pitching, com a participaçãode realizadores de todo o Brasil. O projeto escolhido foi “Eu e MeuGuarda-Chuva”, longa-metragem em desenvolvimento pelo diretor ToniVanzolini, e pelo produtor Luiz Noronha, da Conspiração Filmes (RJ). Osprodutores participam no início de março do Fórum de Financiamento doFestival de Malmo, na Suécia, para propor uma co-produção internacional.Para este ano, está confirmada a realização do 2ª Pitching.Luiza Linsdiretora da mostraluizalins@mostradecinemainfantil.com.br(48) 3235-5996, 9980-6908Jeferson Limaassessoria de imprensaimprensa@mostradecinemainfantil.com.br(48) 91460251www.mostradecinemainfantil.com.brproducao@mostradecinemainfantil.com.